Aprendendo a Investir

http://www.bovespa.com.br
——————————————————————————————————————————————

Iniciantes
Como Investir
Quer investir em ações? Veja como iniciar seus investimentos.
Quanto é preciso para começar?
Não existe um valor mínimo exigido para investir na Bolsa. Isso varia em função do preço das ações que se
deseja comprar e até mesmo da Corretora que você escolher.
Como começar a investir?
Há diversas formas de investir em ações:
· Individualmente: O investidor procura uma Corretora e contrata seus serviços. Em seguida,
com a assessoria dos profissionais da Corretora, o investidor escolhe as ações que deseja adquirir
e transmite a ordem de compra diretamente para a corretora.
· Clubes de Investimento: Um grupo de pessoas físicas se reúne e procura uma Corretora para
constituir um Clube de Investimentos. Nesse caso, existe um representante do clube, que fica em
contato com a corretora para transmitir as decisões acordadas entre os participantes.
· Fundos de Investimento: O investidor compra cotas de um fundo de ações, administrado por
uma Corretora de Valores, um Banco ou um Gestor de Recursos independente, autorizado pela
CVM.
Veja no infográfico o passo-a-passo para você começar a investir em ações.
http://www.bovespa.com.br
——————————————————————————————————————————————
2
http://www.bovespa.com.br
——————————————————————————————————————————————
3
Qual a melhor forma de escolher em que ações investir?
Para escolher as ações, o investidor deve ponderar três critérios: liquidez (facilidade de vender a ação
quando quiser resgatar), retorno (possibilidade de ganhos) e risco (possíveis perdas). A combinação
desses três elementos, a critério do investidor, definirá em quais ações aplicar.
Importante
Antes de iniciar seus investimentos, você deve fazer algumas ponderações.
Ganhos a curto prazo não devem ser a expectativa de quem decide investir em ações. É aconselhável que o
investidor não dependa do recurso aplicado em ações para gastos imediatos e que tenha um horizonte de
investimento de médio e longo prazo, quando eventuais desvalorizações das ações poderão ser revertidas.
Atenção: Caso alguém procure você oferecendo o serviço de compra e venda de ações ou para
administrar as economias que você tem disponíveis para investir, verifique antes com a CVM se é um
profissional ou Corretora habilitados ou procure diretamente uma Corretora no site BOVESPA.

Introdução

Quanto mais desenvolvida é uma economia, mais ativo é o seu mercado de
capitais, o que se traduz em mais oportunidades para as pessoas,
empresas e instituições aplicarem suas poupanças.

Ao abrir seu capital, uma empresa encontra uma fonte de captação de
recursos financeiros permanentes. A plena abertura de capital acontece
quando a empresa lança suas ações ao público, ou seja, emite ações e as
negocia nas bolsas de valores.

E você, ao adquirir ações, passa a ser também sócio da empresa – um acionista.

O que é uma Companhia Aberta?

Uma companhia é considerada aberta quando promove a colocação de
valores mobiliários em bolsas de valores ou no mercado de balcão.

São considerados valores mobiliários: ações, bônus de subscrição,
debêntures, partes beneficiárias e notas promissórias para distribuição
pública.

  • Ações: títulos nominativos negociáveis que representam, para quem as possui, uma fração do capital social de uma empresa.
  • Bônus de subscrição: títulos nominativos negociáveis que
    conferem ao seu proprietário o direito de subscrever ações do capital
    social da companhia emissora, nas condições previamente definidas.

  • Debêntures: títulos nominativos negociáveis representativos
    de dívida de médio/longo prazos contraída pela companhia perante o
    credor, neste caso chamado debenturista.

  • Outros títulos menos usuais: partes beneficiárias e notas promissórias para distribuição pública com ampla divulgação.

    As operações de abertura de capital precisam ter autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM),
    o órgão fiscalizador do mercado de capitais brasileiro, o qual também
    registra e autoriza a emissão dos valores mobiliários para distribuição
    pública.

    As companhias abertas devem atender a diversos requisitos,
    definidos na Lei das S.As. e nas regulamentações da CVM, com o objetivo
    de garantir a confiabilidade das informações e demonstrações
    financeiras divulgadas. O mercado considera que a plena abertura de
    capital ocorre quando há o lançamento de ações ao público, em função
    das transformações impostas à empresa e pelo incremento no volume de
    negócios com seus títulos.

    O que são Ações?

    Ações são títulos nominativos negociáveis que representam, para
    quem as possui, uma fração do capital social de uma empresa. Ação é um
    pedacinho de uma empresa.

    Com um ou mais pedacinhos da empresa, você se torna sócio dela.

  • Quais são os tipos de ação?

    As ações podem ser:

    • ordinárias, que concedem àqueles que as possuem o poder de voto nas assembléias deliberativas da companhia; ou
    • preferenciais,
      que oferecem preferência na distribuição de resultados ou no reembolso
      do capital em caso de liquidação da companhia, não concedendo o direito
      de voto, ou restringindo-o.

    As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre
    nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da
    empresa.

    As ações também podem ser diferenciadas por classes: A, B, C
    ou alguma outra letra que apareça após o "ON" ou o "PN". As
    características de cada classe são estabelecidas pela empresa emissora
    da ação, em seu estatuto social. Essas diferenças variam de empresa
    para empresa, portanto, não é possível fazer uma definição geral das
    classes de ações.

  • O que são dividendos?

    Uma empresa deve dividir os lucros com seus acionistas. Essa
    parcela direcionada aos detentores de ações é conhecida como dividendo.
    Ou seja, os dividendos correspondem à parcela de lucro distribuída aos
    acionistas, na proporção da quantidade de ações detida, apurado ao fim
    de cada exercício social. O estatuto social de uma companhia pode
    estabelecer o dividendo mínimo a ser distribuído, desde que não seja
    inferior a 25% de seu lucro líquido ajustado. Caso não haja previsão no
    estatuto social, o dividendo obrigatório deve corresponder, no mínimo,
    à metade do lucro líquido ajustado.

    Quando uma empresa vai bem, ela divide os lucros com quem tem suas ações.
    Isso são dividendos.

  • E bonificações?

    As bonificações correspondem à distribuição de novas ações para os
    atuais acionistas. Excepcionalmente pode ocorrer a distribuição de
    bonificação em dinheiro.

  • Como funcionam as subscrições de novas ações?

    Os acionistas têm ainda preferência na compra de novas ações
    emitidas ou direito de preferência na subscrição. Além de garantir a
    possibilidade de manter a mesma participação no capital total, esse
    direito pode significar ganho adicional, dependendo das condições do
    lançamento. Por fim, se não exercido, o direito pode ser vendido a
    terceiros.

    Os Mercados Primário e Secundário

    Você sempre ouve falar em Mercado Primário e Secundário. O que significa?
    O Mercado Primário compreende o lançamento de novas ações no mercado, com aporte de recursos à companhia.

    Uma vez ocorrendo o lançamento inicial ao mercado, as ações
    passam a ser negociadas no Mercado Secundário, que compreende as bolsas
    de valores e os mercados de balcão (mercados onde são negociadas ações
    e outros ativos, geralmente de empresas de menor porte e não sujeitas
    aos procedimentos especiais de negociação).

    Operações como a colocação inicial, junto ao público, de
    grande lote de ações detido por um acionista podem caracterizar
    operações de abertura de capital, exigindo registro na CVM. Apesar da
    semelhança com o mercado primário, os recursos captados vão para o
    acionista vendedor (e não para a companhia), determinando, portanto,
    uma distribuição no Mercado Secundário.

    O que são Bolsas de Valores?

    São locais que oferecem condições e sistemas necessários para a
    realização de negociação de compra e venda de títulos e valores
    mobiliários de forma transparente. Além disso tem atividade de
    auto-regulação que visa preservar elevados padrões éticos de
    negociação, e divulgar as operações executadas com rapidez, amplitude e
    detalhes.
     
    O que são Corretoras de Valores?

    São instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central e pela
    Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Somente as corretoras estão
    habilitadas a executar operações de compra e venda de ações ou de
    derivativos na BOVESPA.

    Há várias Corretoras aptas a negociarem em nome de seus clientes na BOVESPA.
    Elas
    podem ajudar você a escolher as melhores opções de investimento, de
    acordo com o seu perfil, já que elas contam com profissionais
    especializados em análise de mercado, de setores da economia e de
    companhias. Por acompanharem o mercado o tempo todo, avaliando os
    principais acontecimentos, as empresas que estão progredindo e os
    fatores que podem gerar mudanças de cenário, as Corretoras prestam um
    serviço essencial aos investidores.

    Corretora de Valores é a instituição que compra e vende ações para você.

     
    Quem são os Investidores?

    São indivíduos ou instituições que aplicam recursos em busca de
    ganhos a médio e longo prazos, que operam nas Bolsas por meio de
    Corretoras e distribuidoras de valores, as quais executam suas ordens e
    recebem corretagens pelo seu serviço.

    Investidores são os clientes das Corretoras.

    Mercados a Vista e de Derivativos

    As operações na Bolsa podem ser efetuadas nos seguintes mercados:

    • a Vista, no qual compradores e vendedores
      estabelecem um preço para um lote de ações a ser entregue e pago no
      prazo determinado, atualmente D+3;

    • a Termo, no qual as partes fixam um preço para a liquidação físico-financeira da ação em prazo futuro determinado;
    • de Opções de compra ou venda, no qual as partes negociam o direito de comprar/vender a ação a preço e prazo futuro determinados; e
    • Futuro, no qual ocorre a compra ou venda de ação a um preço acordado entre as partes para liquidação em data futura específica.

    Como escolher uma Ação

    As ações com o objetivo de obter ganho(s) a médio e longo prazos, em oposição a resultados imediatos, podem ser divididas em:

    • "blue chips" ou de 1ª linha – são ações de
      grande liquidez (grande quantidade de negócios) e procura no mercado de
      ações por parte dos investidores, em geral de empresas tradicionais, de
      grande porte/âmbito nacional e excelente reputação;

    • de 2ª linha – são ações um pouco menos líquidas, de empresas de boa qualidade, em geral de grande e médio portes;
    • de 3ª linha
      – são ações com pouca liquidez, em geral de companhias de médio e
      pequeno portes (porém, não necessariamente de menor qualidade), cuja
      negociação caracteriza-se pela descontinuidade;

    A Dinâmica das Operações em Bolsa

    Execução

    O intermediário financeiro (Corretora) dispõe de profissionais
    especializados, capacitados a dar orientações sobre investimentos,
    receber ordens dos investidores e transmiti-las aos operadores
    qualificados por ele que têm acesso ao sistema de negociação das Bolsas.

    Existe ainda a possibilidade do investidor dar sua ordem de compra ou
    venda de uma ação, via Internet, usando o site de sua Corretora (Home
    Broker). Nesse caso, o investidor estará enviando sua ordem diretamente
    ao sistema da Bolsa.

    Liquidação

    Executada a ordem de compra/venda de uma ação, ocorre a
    liquidação física e financeira, processo pelo qual se dá a
    transferência da propriedade dos títulos e o pagamento/recebimento do
    montante financeiro envolvido, dentro do calendário específico
    estabelecido pela Bolsa para cada mercado.

    No mercado a vista, vigora o seguinte fluxo de liquidação:

    D+0 – dia da operação;
    D+1 – prazo para os intermediários financeiros (Corretoras) especificarem as operações por eles executadas junto à Bolsa;
    D+2 – entrega e bloqueio dos títulos para liquidação física da operação, caso ainda não estejam na custódia da CBLC;
    D+3 – liquidação física e financeira da operação.

    A liquidação é realizada por empresas de compensação e liquidação de negócios, que podem ser ligadas à Bolsa ou independentes.

    A BOVESPA utiliza a CBLC – Companhia Brasileira de Liquidação e
    Custódia para liquidar as operações realizadas em seus mercados.

    As Corretoras da BOVESPA e outras instituições financeiras são os
    Agentes de Compensação da CBLC, responsáveis pela boa liquidação das
    operações que executam para si ou para seus clientes.

  • Anúncios

    Deixe um comentário

    Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

    Logotipo do WordPress.com

    Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

    Imagem do Twitter

    Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

    Foto do Facebook

    Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

    Foto do Google+

    Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

    Conectando a %s